Artigos

18 de maio de 2013

Sentir é mais importante que saber

Separei para hoje um excelente artigo que, para mim, diz tudo!

inspiration

“Há mais de 20 anos, quando eu era um aluno de uma das faculdades mais importantes do Brasil, a informação era um produto restrito, fornecido com qualidade somente nas melhores escolas de graduação, acessíveis a poucos.
Quem frequentava essas instituições era estimulado a usar o lado esquerdo do cérebro, treinado à racionalidade extrema.

A moda era construir modelos matemáticos, estatísticos e de previsibilidade para tudo.
Essas eram as competências mais procuradas nos aspirantes a executivos.

Com a internet e o Google, a informação como diferencial se tornou irrelevante.
Uma prova é que o Massachusetts Institute of Technology (MIT), um dos principais formadores de cérebros do mundo, passou a oferecer os conteúdos de seus cursos de graça na web.

Mas mesmo na era do acesso e da colaboração, não percebo uma evolução no modelo educacional: o foco continua sendo a corrida do saber.

Vejo as crianças sendo alfabetizadas cedo demais, com muitas instituições de ensino e pais se vangloriando dessa precocidade.

Parece que escrever, multiplicar e usar computadores cada vez mais cedo trarão mais competitividade para os profissionais do futuro.

Em vez de apenas conhecer, no entanto, o fundamental no mercado de trabalho — e na vida — será interpretar e harmonizar informações aparentemente desconexas.

E, para isso, precisamos mudar o jeito que ensinamos.

Em seus livros O Cérebro do Futuro e Motivação 3.0, o autor de best seller Daniel Pink fala da importância de se usar o lado direito do cérebro, responsável pelas emoções, pela intuição e pelo pensamento não-linear.
Ele dá exemplos da importância de competências como design e storytelling, a capacidade que temos de inspirar os outros por meio de histórias verdadeiras, contadas com emoção.
Fala ainda sobre sinfonia, que é a arte de unir informações aparentemente desconexas de maneira produtiva, presentes em gênios como o pintor surrealista belga René Magritte (1898-1967) ou o chef catalão Ferran Adrià.

Essas são ferramentas essenciais no dia a dia dos líderes de empresas.

Afinal, liderar é ter a capacidade de comunicar sua visão de maneira memorável e motivadora.

Tenho isso em mente, por exemplo, quando elaboro uma apresentação para investidores.

Em vez de usar um monte de gráficos e números, prefiro contar uma boa história.

Com isso, evoco emoções que fazem parte da minha vida para me conectar com as pessoas.

Confio tanto na importância de se desenvolver as emoções e a capacidade de reflexão, e não apenas em acumular conhecimento, que coloquei meu filho em uma escola Waldorf, pedagogia que privilegia a formação física, anímica e espiritual.
Ela é citada por Pink como uma das mais adequadas ao novo momento do mundo, marcado por mudanças constantes.
As crianças aprendem a olhar para si mesmas, a desenvolver conexões e a refletir, estimuladas por contos e artes manuais.
E não por uma obrigação de obter uma grande quantidade de informações, algo que perdeu o sentido em uma época em que entender, analisar e escolher seu caminho é mais importante que saber tudo.

Em um mundo de mudanças rápidas, intuir e compreender é mais importante do que acumular conhecimento.

Fonte: Revista Galileu Nov 2010
Autor: Sérgio Chaia

Comentários