Artigos

10 de outubro de 2017

AFINAL, o que é o poder?

 

Imagem: Google por Silvana Lage

VOCÊ TEM PODER PESSOAL?
Dentre todas as ideias possíveis em nossa vida humana, a que mais predomina é a ideia do poder.
“É ele o demônio invisível que dá origem às nossas motivações e escolhas”.
O poder está por trás do medo da perda e do desejo de controlar; é dele que esperamos os maiores prêmios.
O poder nos aparece sempre disfarçado nas vestes da autoridade, do controle, do prestígio, da influência, do glamour e da fama.

AFINAL, o que é o poder?
Essa é uma questão que requer uma reflexão acerca das várias nuances e complexidades que permeiam o conceito de “poder”.
Algumas palavras denotam poder: energia, força, dinâmica, movimento.
Ainda mais : política, social, religião, economia, negócios, dinheiro, etc.

Que pensamentos alimentamos sobre o poder?
Conhecemos e temos o poder em nossas mãos?

Se hoje você dissesse eu quero mais poder, o que de fato gostaria de obter?
Mais dinheiro, mais controle, maior domínio sobre pessoas, mais saúde….mais amor…

Na verdade por diversas vezes nos sentimos completamente incapazes de expressar o que realmente desejamos a despeito disso, ainda assim, queremos “poder”.

Aí já temos um problema e nossos problemas estão dentro de campos de poder em nossas vidas.
O que influencia esses campos são os outros, de acordo com a autoridade, o sistema econômico, as normas a que todos estão submetidos.

Por detrás do desejo pelo poder, encontra-se o grande medo do fracasso.

Em nossa vida tudo começa e termina com uma escolha!

A busca pelo poder implica em termos o controle sobre escolhas que garantam o sucesso pessoal, profissional, afetivo, etc.

A vida que temos hoje resultou de uma série de escolhas que fizemos.
Entre o momento da nossa concepção e a morte, o código genético que nos dá forma física, mental, emocional e espiritual, tentará manter a vida e nossa sobrevivência.
Assim, cada célula continua a ESCOLHER as variadas situações que garantirão a sobrevivência do corpo que habitamos.
Enquanto nos desenvolvemos como embriões, as gravações estarão sendo feitas em nossas células, que compõe o nosso psiquismo fetal.
Mesmo ainda tão precoces, já enviamos respostas ao mundo, primeiro em movimentos, depois em emoções.
Dessa forma, vão se formando os nossos padrões de respostas , já gravadas e que formam a memória original que é base para as futuras respostas de nossas vidas em geral.
Não tínhamos vida extra-uterina, mas já respondíamos a ela ….
E a primeira resposta foi a escolha de nascer!
Era suficiente respirar, alimentarmo-nos através de nossa mãe e o nosso desenvolvimento acontecia naturalmente.
A integração era perfeita.
Após o nascimento cumprimos as etapas esperadas e obviamente esperamos o sucesso como resultado.
Mas, muitas coisas mudaram após o nascimento.
De protegidos, passamos a proteger : nossos amigos, nossos maridos, mulheres,nossos filhos, parentes, etc.

E os relacionamentos começam a exigir de nós novos posicionamentos, novas posturas, novas visões.
As nossas escolhas, até então tão seguras, diretas, começam a ter algumas interrogações.
Por vezes nos sentimos sobrecarregados ou culpados, porque não conseguimos, por mais que tenhamos tentado, responder ao grande número de expectativas sobre nós, nosso desempenho.

Outras vezes vivenciamos conflitos e dilemas sobre o certo ou errado e acabamos por ter que escolher entre nós e o outro , pior ainda quando esse outro nos amamos, ou pensamos amar…
Já não temos mais escolha…
Já perdemos nossa integração .

Essa integração está contida em três níveis:
• Nível Consciente
• Nível Subconsciente
• Nível Corpo (Memória Celular)

Sempre que nós nos sentimos sem escolha, todos os níveis serão afetados pelo stress vivenciado.

E a próxima frase será: “Você se sente sem poder”!

Exatamente, sem escolha, significa sem poder.

Talvez o maior equívoco seja pensar em Poder, unicamente como uma forma de domínio sobre pessoas.
Mas, não é sobre esse tipo de Poder que estamos falando e sim sobre Poder Pessoal.
Ou seja, uma integração tal entre Consciente, Subconsciente e Corpo, que lhe traga o Poder Pessoal sobre os vários níveis de atuação em sua vida.

De que forma perdemos o nosso Poder Pessoal?

Quando ficamos divididos entre dois desejos, uma parte de você quer de uma forma, mas uma outra voz lhe diz que não , que não é possível, que é errado, que é muito caro, que é muito arriscado,etc.
Então nós começamos a ter medo, o que implica em necessidade de defesa e retraimento ou rendição.
A maioria das vezes em que perdemos nosso Poder Pessoal é porque estamos divididos, desconectados, separados de nossos reais desejos, normalmente maculados por sentimentos e emoções negativas.

Alguns comportamentos ou funcionamentos fortalecem essa perda do Poder Pessoal, como a vaidade, que implica em ter que ser sempre perfeito, acima de qualquer fracasso ou erro e continuamente aprovado pelo outro.

Novamente você se desintegrou, primeiro porque não reconheceu sua divindade interior, criado à semelhança de Deus, sendo portanto já em si perfeito e depois por não ter compreendido e aceitado que as “lições” são para todos, queridos seres humanos do Planeta Terra.

Então passam a existir três Eu`s : o que sou em essência, o que gostaria de ser e o que eu realmente consigo ser, nesse exato momento da minha evolução nesta vida.
E se eu me submeto a ser o que não sou para simplesmente garantir que todos terão o que esperam de mim, já me desvalorizei e perco o Poder Pessoal sobre a minha integração, sobre a minha unidade divina.

Poder Pessoal diz respeito diretamente ao seu modo de se relacionar com as pessoas.
Sempre que disser um SIM , quando deseja dizer NÃO, entregou parte do seu Poder Pessoal!”

Se você prestar atenção e buscar conseguir acionar mecanismos de desativação de Stress Emocional, identificar e trabalhar as emoções e padrões criados em nível Consciente que derivou na perda do seu poder pessoal,  vai estar restaurando seu bem estar e  possibilitar novas escolhas mais saudáveis e mais felizes!

Comentários